Pontes de guitarra. Tudo em um post.

Pontes de guitarra

Postamos alguns assuntos em partes, e Pontes de guitarra foi um deles, e para facilitar a vida de todos resolver compilar todos os post em um só.

Pontes de guitarra

Pontes de guitarra, fixas (Também conhecidas como cavalete)

A ponte é um dispositivo feito para suportar ou prender as cordas em um instrumento.

Ela também é responsável pela transmissão da vibração produzida pelas cordas para as outras partes do instrumento.

Em guitarras elétricas a ponte também fica responsável por alguns ajustes e algumas delas tem funções especiais.

A maioria dos instrumentos de cordas produz seu som através da aplicação de energia para as cordas, o que as coloca em movimento vibratório.

Seja esta aplicação de energia através de uma palheta, arco de fricção ou a famosa dedada.

Só que isto não é o suficiente pois apenas com a corda em vibração produz-se apenas um som fraco.

O motivo é  porque as cordas deslocam apenas um pequeno volume de ar à medida que vibram.

Consequentemente, o som das cordas sozinho requer uma espécie de transmissor de sua vibrações para um corpo maior e capaz de produzir mais energia.

Pontes de guitarra acústica, violão.

[vc_row][vc_column width=”1/3″]

Pontes de guitarra
Exemplo de um cavalete com ornamentos

[/vc_column][vc_column width=”1/3″]

Pontes de guitarra
Exemplo de um cavalete de violão folk

[/vc_column][vc_column width=”1/3″]

Pontes de guitarra
Exemplo de cavalete de um violão estilo cordas de nylon.

[/vc_column][/vc_row]

Todos dispositivos que servem para prender as cordas, e não se mexem, são pontes fixas

Nos violões, tanto os com cordas de nylon como os com cordas de aço, o papel dos cavaletes, ou pontes é transmitir a vibração das cordas para o tampo.

O tampo do instrumento entra em movimento e dentro de sua caixa muito mais ar é movimentado e assim tenha muito mais energia e volume.

O material no qual é feito o cavalete afeta o timbre geral do instrumento tal qual apoio das cordas, rastilho ou saddle.

Pontes fixas de guitarra

Tune o matic

Tune-o-matic (usa-se também a abreviação TOM) é um nome da ponte fixa  projetada por Ted McCarty. Esta ponte veio ao mundo primeiramente nas  guitarras Gibson Les Paul Custom em 1954.

Em 1955, ela vinha equipando as Les Paul Gold Top, guitarra que foi o emblema da empresa na época.

[vc_row][vc_column width=”1/2″]

Pontes de guitarra
Tune o matic + stop tail. Um emblema das pontes fixas.

[/vc_column][vc_column width=”1/2″]

Pontes de guitarra
Ponte tipo wrap-around. Onde nasceram as pontes fixas

[/vc_column][/vc_row]

Gradualmente a TOM se tornou padrão de mercado, substituindo o wrap-around que era o projeto anterior.

Esta substituição foi quase completa, a única exceção era o custo, pois a wrap-around ainda era mais barata.

Hoje estes tipo de pontes de guitarra são largamente utilizadas por inúmeras fábricas pelo mundo.

Não se limitando apenas a guitarras com visual das lespas (nome carinhoso para as guitarras do modelo Les Paul).

Um dos maiores problemas destas duas pontes de guitarra é que elas não apresentam regulagem individual de ação de cordas.

O que pode ser um pesadelo na hora de regular alguns instrumentos.

E para piorar a maioria das wrap-around tradicionais também não tem ajustes de comprimento das cordas de forma individual.

Então caso você seja meio “chato” com a regulagem do seu instrumento procure outra ponte pois estas ai podem ficar devendo.

Uma opção de tune o matic com ajuste de altura individual é a Gotoh 510 FB, esta apresenta tal ajuste além de todos os ajustes presentes de uma TOM padrão.

Ponte de telecaster

Ainda no hall das pontes de guitarra fixas para guitarra temos um clássico, a ponte de telecaster.

A Fender Telecaster foi desenvolvida por Leo Fender em Fullerton, Califórnia, em 1950.

Entre 1932 e 1949, vários artesãos / luthieres tal qual algumas empresas experimentavam a ideia de guitarras elétricas de corpo sólido.

Poucos tiveram sucesso, mas nenhuma teve um impacto tão significativo no mercado quanto a Telecaster que foi o projeto que finalmente veio para colocar a guitarra sólda no mapa.

A Telecaster, carinhosamente apelidada de Téli ou teleca, foi a primeira guitarra com corpo sólido comercialmente vendida no mundo.

[vc_row][vc_column width=”1/2″]

Pontes de guitarra
Fender Esquire 1950. Usavam pontes fixas.

[/vc_column][vc_column width=”1/2″]

A ponte é um emblema desta modelo e na época, 1950, contava apenas com ajustes para dupla de corda, o que tornava uma tarefa simples como regular a ação de cordas uma dor de cabeça.

Este tipo de ponte é muito utilizada hoje, mesmo a que tem apenas 3 saddles, mas também existem versões com 6 carrinhos, o que facilita muito a vida na hora de ajustar uma guitarra com este tipo de ponte.

As ponte que tem 3 carrinhos apenas ficam devendo quanto o assunto é ajuste de comprimento de cordas, oitavas, pois cada corda precisa de um comprimento especifico, coisa que os 3 carrinhos não entregam.

[/vc_column][/vc_row]

[vc_row][vc_column width=”1/2″]

Pontes de guitarra
Ponte telecaster 3 carrinhos. O começa da evolução das pontes fixas.

[/vc_column][vc_column width=”1/2″]

Pontes de guitarra
Ponte de telecaster com carrinhos. A evolução das pontes fixas

[/vc_column][/vc_row]

A melhor opção para quem quer ter um visual vintage na guitarra mas não quer sacrificar a entonação e usar um ponte de telecaster com carrinhos adaptados, assim garantindo um comprimento melhor para cada corda.

Pontes de guitarra
Ponte de telecas com carrinhos adaptados. Ponte fixa com 3 carrinhos adaptados para melhorar a entonação.

Top ou back loaded?

Tanto a ponte de tele quanto a ponte TOM pode usar dois tipo de instalação de cordas, as top loaded e a strings through.

Alias este pode ser usado para qualquer um destes dois tipos de pontes de guitarra, exceto para wrap-around.

Neste primeiro tipo de instalação, top loaded, normalmente a corda fica um pouco mais “leve” deixando a pegada da guitarra um pouco mais macia.

Em contra partida esta instalação não ajuda muito a ponte a fazer o corpo do instrumento vibrar e com isto deixa de ser aproveitado parcela do som do corpo.

Já as postes fixas para guitarra com o sistema strings through pode deixar as cordas um pouco mais duras, e para alguns isto pode ser desconfortável.

Como as cordas acabam apoiando melhor na ponte a transmissão de vibração da ponte para o corpo é bem maior e assim se aproveita melhor a parcela de timbre oriunda co corpo.

[vc_row][vc_column width=”1/2″]

Pontes de guitarra
Instalação de cordas por cima das pontes fixas, top loaded.

[/vc_column][vc_column width=”1/2″]

Pontes de guitarra
Instalação de cordas por trás do corpo, strings through. Mas um jeito de colocar cordas nas pontes fixas

[/vc_column][/vc_row]

Pontes fixas para contrabaixo

Tal qual para guitarras as pontes fixas para contrabaixo contaram com poucos ajustes durante a história, e algumas são idolatradas até hoje, mesmo contado com certas deficiências de ajuste.

Este historia começou com o Precision Bass.

The p-bass

O Precision Bass (ou “P-Bass”) foi desenhado por Leo Fender como um protótipo em 1950 e lançado ao mercado em 1951.

Este baixo foi o primeiro baixo elétrico a ganhar atenção generalizada e utilização vasta pelo mundo musical da época.

Para época ele era um instrumento revolucionário, o Precision Bass fez um impacto imensurável no som da música popular desde então.

As primeiras versão deste instrumento costumavam usar pontes fixas do tipo hardtail, que eram parafusadas direto no corpo do instrumento.

Pontes de guitarra
Precision 51, com cover em cima da ponte e captador

A ponte que vinha equipada no Precision da década de 50 era uma hardtail com apenas 2 carrinhos. O que gerava alguns problemas de entonação.

Mas nada como alguns anos de pratica para ele ser reformula e receber uma ponte que viria a funcionar bem melhor para a entonação quanto para a ação de cordas.

Pontes de guitarra
Precision da década de 70, já com ponte repaginada e visual repaginado.

Hoje existem varias marca que produzem opções de pontes para contrabaixo e com muito mais malandragens do que se possa imaginar.

Babicz

Uma delas é Babicz, que para contrabaixo produz pontes fixas do tipo hardtail.

Mas a grande vantagem das pontes desta marca é o fato de que o carrinho, ou saddle, esta em sempre em contato com a base da ponte, assim transmitindo muito mais vibração das cordas para o corpo do instrumento.

Pontes de guitarra
Babicz Full contact

A Babicz não produz pontes apenas para contrabaixo mas também faz pontes de guitarra. Se você que uma ponte chique no seu instrumento pode contar com esta marca.

Hipshot

Ainda falando das pontes fixas do tipo hardtail temos a Hipshot, esta empresa produz hardware de primeira linha e suas postes fixas são fantásticas.

Peças de ótima qualidade e com o visual que uma ponte ou tarraxas precisa ter.

Pontes de guitarra
Hipshot Transtone para contrabaixo de 5 cordas
Pontes de guitarra
Hipshot D-style para contrabaixo de 5 cordas, muito parecida com uma Tune o Matic
Pontes de guitarra
Hipshot hardtail para guitarra de 8 cordas, simples mais muito efetiva

Pontes de guitarra fixas modernosas.

Contamos ainda com mais alguns exemplares de pontes de guitarra, fixas e nem tão fixas assim, agora as mais high tech por assim dizer.

Hannes

A Schaller, empresa conhecida e respeitada na fabricação de hardwares, fabrica um brinquedinho muito bonito que a linha de ponte Hannes, que pode ser encontrada para 6,7 ou 8 cordas.

Estas pontes fixa são muito confortáveis pois não tem muito parafusos aparentes, e a chance se machucar quase não existe.

Pontes de guitarra
Schaller Hannes para 6 cordas

Fx-pro edge III

Uma marca que sempre trouxe novidades ao mercado foi a Ibanez, e no quesito hardware não poderia ser diferente.

Com o boom do mercado de guitarras extended range a Ibanez não perdeu tempo e já fez sua contribuição para o mercado das pontes de guitarra.

A Fx-pro edge III, que apesar de passar uma ar de ponte flutuante, do tipo Floyd Rose, nada mais é do que uma ponte fixa com micro afinação.

Pontes de guitarra
Ibanez Pro Edge III
Pontes de guitarra
Ibanez 8 cordas equipada com a Fz Pro Egde III

O único problema desta ponte fabricada pelo Ibanez é que não é possível encontra-la separadamente para compra, ela só esta disponível com as guitarras nas quais ela vem como ponte padrão.

Evertune

Mas caso você venha a ser uma pessoal preocupada com a estabilidade de afinação de sua instrumento a resposta é fácil.  Evertune .

A Evertune é uma empresa americana que tem como único foco produzir pontes, e no catalogo atual apenas pontes de guitarra, fixas, que ajudam a manter seu instrumento sempre afinado.

Pra tal a Evertune desenvolveu um conceito inovador de pontes fixas, que na verdade parecem muito mais as pontes de guitarra do tipo móvel.

Pontes de guitarra
Guitarra equipada com ponte Evertune
Pontes de guitarra
Sistema de molas da Evertune
Pontes de guitarra
Ponte Evertune para telecaster

Esta ponte recebe o troféu de rainha das pontes de guitarra mesmo tendo como calcanhar de Aquiles a enorme cavidade para o compartimento de molas, o que pode gerar tristeza em alguns puristas que gostam de madeira. Mas de qualquer forma as vantagens que esta ponte traz para a estabilidade da afinação não são encontradas em nenhuma outra ponte.

####Quer saber mais sobre madeiras de guitarra? Clique aqui.

Pontes de guitarra, tremolos e vibratos

Uma variedade de sistemas mecânicos de vibrato para guitarra comeram a ser desenvolvidos na década de 1930.

Eles são usados para adicionar o efeito de vibrato ao som, alterando a tensão das cordas, geralmente na ponte ou no cordal, onde se prende as bolinhas da corda de uma guitarra elétrica com uma alavanca de controle que por muito é chamada de  whammy bar, vibrato braço / bar, ou tremolo arm / bar .

A alavanca permite ao musico variar rapidamente a tensão e às vezes o comprimento das cordas temporariamente para desta alterar o tom e assim criar um efeito de vibrato, portamento ou pitch bend.

Kaufmann Vibrola

Uma das primeiras unidades de vibrato mecânicos foi a Vibrola, inventado por Doc Kaufmann e patenteado em 1935.

Sua Vibrola foi oferecida pela primeira vez ao público pela  Epiphone como uma opção em algumas guitarras semi-acústica, de 1935 a 1937 Epiphone vendeu o Vibrola como uma opção de reposição também.

Esta Vibrola também foi usado em algumas guitarras lap steel Rickenbacker em torno do mesmo tempo e foi introduzida em suas guitarras de 6 cordas.

Não se pode dizer que esta se enquadra no patamar das pontes de guitarra do tipo flutuante, afinal ela não funcionava para os dois lados, e sim apenas para o dive bomb.

Pontes de guitarra
Alavanca Vibrola  Kaufmann
Pontes de guitarra
Alavanca Vibrola Kaufmann em uma Rickenbaker Spanish Guitar

Bigsby

A alavanca Bigsby foi o primeiro vibrato bem sucedido, pelo menos comercialmente,  na maioria das vezes chamado apenas de Bigsby, e inventado por Paul Bigsby, sua data de invenção é mio incerta.

O mais bacanas desta ponte é o fato de ser um dos poucos projetos cujo mecanismo é totalmente instalado no top da guitarra, tornando-se o único projeto particularmente adequado para guitarras acústicas e semi-acústicas.

Mesmo não sendo uma ponte de guitarra do tipo flutuante, pelo menos tão flutuante quanto uma Floyd, a Bigsby pode ser uma ótima pedida se você quer uma alavanca com funcionamento sutil.

Muitas pessoas reclamam que ela não afina tão bem, porém sabendo usar as tecnologias que temos disponíveis hoje no mercado estes problemas podem ser minimizados.

Usando a Bigsby  juntamente com uma ponte Tune o matic com rolamento e um roller nut você minimiza muito os problemas de afinação por conta do atrito excessivo

Pontes de guitarra
Alavanca Bigsby instalada em uma telecaster
Pontes de guitarra
Alavanca Bigsby

 

Gibson Vibrola ou Maestro vibrola

Desde o início da década de 1960 a Gibson  uma série de projetos de sistemas de vibrato com o nome de ” Vibrola ” . Na década de 1950 Gibson oferecia tanto a Gibson Vibra -Rest ou uma opção Bigsby em forma de guitarra .

Alguns dos projetos Vibrola incluem uma versão licenciada do vibrato Bigsby , versão anterior do Maestro Vibrola, e vários projetos internos Gibson, que nunca chegaram ao mercado.

A Gibson Vibrato , um dos sistemas de vibrato mais antigos da Gibson, foi lançado em 1962 em alguns modelos de SG.

Este mecanismo mais tarde ficou conhecido como o vibrato lado-a- lado (ou Sideways Vibrola ) por causa da posição da alavanca , que saia a partir do lado do stoptail .

Esta alavanca restringe o movimento para cima e para baixo em um plano próximo ao das cordas, de modo que sua ação era diferente das alavancas da Bigsby, e continua assim até hoje.

Também foi descrito como a ” Gibson Vibrola “nome este que pode ser aplicado a qualquer uma dos ponte de vibrato Gibson .

Não foi um sucesso e é de interesse principalmente para os historiadores e colecionadores.

Esta ponte foi muito usada tanto nos modelos Flying v quanto nos modelo Sg da marca.

Pontes de guitarra
Alavanca Gibson Vibrola também conhecida como Maestro Vibrola
Pontes de guitarra
Alavanca Maestro Vibrola

Fender syncronized

Após a Bigsby, o próximo grande desenvolvimento foi tremolo sincronizado de Leo Fender.

Lançado pela primeira vez em 1954 na primeira Stratocaster Fender, a guitarra mais icónica do planeta, com design simples, mas eficaz, oferece uma gama maior de mudança de tom do que o Bigsby.

A denominação dada por Fender a esta alavanca é um tanto quanto confusa, alavanca tremolo em vez de um alavanca vibrato, afinal o efeito produzido é de vibrado e não tremolo.

E curiosamente ele usava em seus amplificadores o termo “vibrato” para se referir os efeito de tremolo.

A base da syncronized é um conjunto rígido que incorpora tanto a ponte quanto cordal. No desenho original, isto foi baseado no princípio do equilíbrio “aresta da faca”.

Também conhecida como “tremolo vintage” da Fender esta ponte oferece uma gama muito superior de ajustes.

Em comparação a  todas as outras já citadas, além de oferecer todas os ajustes necessários como ação de cordas individual e comprimento de cordas individual também permite que possa ser regulada para usar a alavanca para ambos os lados, esticando ou afrouxando a corda.

O tremolo trazido para o mundo pelo Fender não mudou somente como se tocava guitarra naquela época mas também trouxe junto uma série de exploradores tanto da musica quanto da parte mecânica.

A inclusão desta ponte no mercado quase obrigou a outras empresas a terem boas idéas se não quisessem ficar para trás.

Muitos guitarristas cultuados até hoje encontraram nesta ponte um ponto de conforto jamais visto até então em outra alavanca.

E por isto que se você quiser usar alavanca sem se preocupar muito com a afinação do instrumento após uma bela alavancada este é tipo de ponte com alavanca que você deve procurar.

Pontes de guitarra
Alavanca Syncronized Fender
Pontes de guitarra
Fender 1964 com alavanca syncronized

Stetsbar

O sistema Stetsbar Tremolo é mais uma das pontes para guitarra com sistema de alavanca e foi que foi desenvolvido por Eric Stets durante final dos anos 80 e patenteado em 1995.

O sistema foi originalmente projetado para oferecer um tremolo extremamente estável que pode ser instalado em guitarras que originalmente tinha o stop tail.

O sistema foi pensado pra ser retrofit, ou seja, sem a necessidade de fazer quaisquer modificações permanentes para a guitarra.

É uma opção muito interessante pois torna o equipamento totalmente “retrofit”, ou seja se não gostar da pra voltar pra ponte original.

Hoje a alavanca Stetsbar pode ser encontrada em outros formatos, permitindo a montagem em uma variedade maior de guitarras.

Seu funcionamento é bem parecido com uma tremolo de strato, porém um pouco mais sensível, e quanto a entonação não há o que reclamar, afina relativamente bem após uma alavancada.

Pontes de guitarra
Stetsbar com montagem no tailpiece
Pontes de guitarra
Alavanca Stetsbar

Fender two-point ou American Standard

Esta alavanca também desenvolvida pela Fender veio para melhorar o funcionamento de sua antecessora, a syncronized que tinha 6 parafusos.

A vantagem de uma ponte com 2 pivôs aos invés de uma alavanca tradicional com 6 parafusos é a diminuição do atrito na região da ponte, fazendo com que seu funcionamento fique bem mais leve e preciso.

Sempre é preciso ter atenção especial ao pivôs deste tipo de alavanca, pois um pivô de má qualidade pode atrapalhar no funcionamento do conjunto todo.

Quase todas as alavancas com 2 pivôs trabalham em cima do mesmo principio, por isto é bem comum encontrarmos muitas marcas no mercado e até variações de design para este tipo de alavanca.

Pontes de guitarra
Fender 2 pivos, ou two point.
Pontes de guitarra
Strato equipada com uma alavanca two point
Pontes de guitarra
Alavanca Wilkinson VS-100. Uma das pontes ,com 2 pivôs mais populares
Pontes de guitarra
Guitarra com a alavanca Vs-100

Trem King

Trem King é um sistema de alavanca que usa um conceito de ponte fixa.  A placa em ponte está fixada ao corpo da guitarra.

A parte mais legal desta ponte de guitarra é que durante quase 30 anos ninguém trouxe alguma novidade significativa ao mercado. Mas esta empresa sim.

Ela trabalha basicamente como uma ponte fixa, e quando você usa a alavanca a única coisa que se move é o bloco onde vão presas as cordas.

E contando com um sistema de contra mola é possível manter a ponte em um ponto zero, mesmo que alguma corda quebre.

Então com  esta bixinha ai é possível executar double stops sem problemas.

Ela também é apresentada em outras versões como por exemplo uma alavanca para telecaster, o modelo TK-2.

alavanca
Alavanca Trem King, modelo Tk-1
alavanca
Guitarra equipada com alavanca Trem King

Super Vee

Quando se pensa em pontes de guitarra com sistemas de tremolo ou vibrato, como queiram chamar, é bem difícil encontrar ideias novas ou formas mais bacanas de se fazer a mesma coisa.

Pois é a Super Vee fez.

Tentando inovar sempre esta marca trouxe ao mercado um jeito meio diferente de pensar no funcionamento de suas pontes, mesmo que isto já tenha sido pensado a uns 80 anos atrás.

O modelo Blade Runner, que é uma ponte para guitarra tipo strato, tem como opção de fixação ao corpo e de movimentação de todo o conjunto nem pivôs nem parafusos e sim um a lamina de metal.

Esta lamina de metal é quem se dobra ao utilizar a alavanca.

Tal sistema funciona muito bem mas a maior preocupação é se tal lamina um dia vier a quebrar.

Quanto a estabilidade de afinação deste sistema as alavancas da Super Vee fazer um trabalho muito bom, desde que bem instaladas é claro.

Com modelos que vão deste de uma tele até uma alternativa ao tremolo Floyd Rose, a super Vee Drop in, a empresa também fabrica alternativa para sistemas de trava para funcionamento de tremolos.

Pontes de guitarra
Sistema de funcionamento das pontes Super Vee
Pontes de guitarra
Super Vee Blade Runner
Pontes de guitarra
Super Vee Blade Runner
Pontes de guitarra
Super Vee Locking System
Pontes de guitarra
Super Vee Maverick, ponte com alavanca para telecaster
Pontes de guitarra
Super Vee Maglok, sistema de compensação ou travamento da alavanca

Floyd Rose

A Floyd Rose Tremolo, ou simplesmente Floyd Rose, também conhecido com sistema de dupla trava  foi inventada por Floyd D. Rose em 1977.

Naquela época sendo a única de seu tipo ganhou muita popularidade no mundo dos guitarristas, principalmente  se falando se artista da década de 80.

Como todos sabem, ou pelo mesmo deveriam, alguns nomes que usaram ou ainda hoje usam guitarras equipadas com esta ponte.

Nomes como Steve Vai,  Eddie Van Halen, Neal Schon e Joe Satriani sempre foram conhecidos por sua habilidade com a alavanca.

Mas voltando a falar da ponte, sua estabilidade de afinação vem do sistemas de dupla trava, que uma vez acionada impede que a corda muda de comprimento.

Naquela época isto era um projeto revolucionário e foi considerado pela revista Guitar World uma das 10 melhores invenções no mundo da guitarra.

Hoje existem muitas empresas que fabricam este tipo de ponte, todas sob pagamento de licença ou royalties para a própria Floyd Rose.

Para aqueles que procuram alavancadas radicais esta é a opção indiscutivelmente. Mas não podemos deixar de falar alguma coisas, afinal nem tudo esta a favor desta moça ai.

Você irá ficar totalmente dependente da qualidade desta ponte, por conta da quantidade de mecanismos em comparação a um ponte TOM.

Então, compre sempre as pontes de guitarra de boa qualidade são caras e quando estamos falando de pontes de guitarra comprar do mais baratinho vai te dar dor de cabeça.

Tenha em mente que além da qualidade da ponte você também ira depender da qualidade de sua cordas, pois caso uma corda quebre todas as outras iram mudam a afinação.

Por isto pense bem antes de ter ou compara uma gutiarra com o recessed box.

Saiba mais sobre cordas clicando aqui
Pontes de guitarra
Strato com tremolo Floyd Rose
Pontes de guitarra
Floyd Rose para guitarras com 6 cordas
Pontes de guitarra
Recessed box
Pontes de guitarra
Locking Nut tradicional
Pontes de guitarra
Sistema de locking nut com thumb action, sem parafusos
Pontes de guitarra
Sistema de locking nut da Yamaha, também não precisa de chave ou parafusos.

 

Veja mais sobre nut aqui

Kahler Tremolo System

Aqui talvez se encontre a maior concorrente da Floyd Rose, no quesito pontes de guitarra, e bota concorrente nisto.

A Kahler foi inventada em 1979 por  Gary Kahler e Dave Storey.

E no meio dos anos 90 deram um tempo na produção de pontes, por conta da baixa popularidade principalmente nos USA.

Voltaram com força total em 2005 e estão prensentes no mercado até hoje.

Contanto com inúmeros modelos e variações destes modelos, com relação aos materiais usados, a Kahler pode te entregar opções que quase nenhuma outra marca de pontes de guitarra pode.

Um bom exemplo disto é um tremolo para guitarra com dez (isto mesmo mermão, 10 cordas) pontes de guitarra para guitarra multiscale.

A marca também produz alavancas eficientes também para contrabaixos.

Pontes de guitarra
Kahler para 10 cordas com multiscale
Pontes de guitarra
Kahler para guitarra com 9 cordas
Pontes de guitarra
Sistema de molas das Kahler

Kahler vs afinação

O funcionamento da Kahler é muito bom, com uma alavanca mais leve do que as syncronized.

Ela permite uma grande mudança na tensão das cordas, tanto para subir quanto para descer.

Mesmo sendo um sistema de trava simples, afinal as cordas não são travadas na ponte, apenas no nut, os tremolos Kahler costumam manter muito bem a afinação.

Mes que o gutiarrista abuse do use da alavanca os tremolos Khaler se comportão muito bem.

Grandes nomes da musica já usaram, ou usam, esta ponte. Indo de Les Claypool a Kerry King este tremolo faz realmente o que promete.

Gostou do post? Compartilhe, comente!



Loud Custom Shop Guitars

Loud é uma oficina diferente. Deixamos de lado a distribuição em série para construir artesanalmente instrumentos únicos que se adaptem aos mínimos detalhes que você precisa ou simplesmente quer.De regulagens básicas a customizações extremas, a Loud está ao seu dispor pela realização daquela guita meio louca que você viu em seus sonhos e em loja nenhuma por ae. Precisa de uma cafeteira instalada no seu baixo? Um cinzeiro marchetado na sua viola? Então vamos conversar!

  • Lucas Andrade

    Nossa que artigo maravilhoso. Em nenhum lugar achei tanta informação sobre pontes de guitarra!