Pontes fixas para guitarra. Qual usar? [PARTE 1]



Pontes fixas para guitarra.

Bão galera?, hoje falaremos um pouco mais sobre o submundo das guitarras e agregados, sem desmerecer nenhum outro instrumento.

Tal qual falamos em outros posts como cordas, tarraxas e até os vilões mais malvados que te rodeiam o tempo todo hoje iremos abordar a outra ponta,  e a pergunta que surge é:

Qual ponte para guitarra?

Como o assunto é bem extenso não falaremos dele em um post apenas, afinal temos uma vida também. Então sente-se pegue seu chá e bora pra leitura.

Pontes fixas (Também conhecidas como cavalete)

A ponte é um dispositivo feito para suportar ou prender as cordas em um instrumento ela também é
responsável pela transmissão da vibração produzida pelas cordas para as outras partes do instrumento. Em guitarras elétricas a ponte também fica responsável por alguns ajustes e algumas delas tem funções especiais.

A maioria dos instrumentos de cordas produz  seu som através da aplicação de energia para as cordas, o que as coloca em movimento vibratório, seja esta aplicação de energia através de uma palheta, arco de fricção ou a famosa dedada.

Só que isto não é o suficiente pois apenas com a corda em vibração produz-se apenas um som fraco. O motivo é  porque as cordas deslocam apenas um pequeno volume de ar à medida que vibram.

Consequentemente, o som das cordas sozinho requer uma espécie de transmissor de sua vibrações para um corpo maior e capaz de produzir mais energia e consequentemente maior volume.

Pontes de violão

[vc_row][vc_column width=”1/3″]

Pontes fixas para guitarra
Exemplo de um cavalete com ornamentos

[/vc_column][vc_column width=”1/3″]

Pontes fixas para guitarra
Exemplo de um cavalete de violão folk

[/vc_column][vc_column width=”1/3″]

Pontes fixas para guitarra
Exemplo de cavalete de um violão estilo cordas de nylon.

[/vc_column][/vc_row]

[quote_center]Todos dispositivos que server para prender as cordas, e não se mexem,  são pontes fixas[/quote_center]

Nos violões, tanto os com cordas de nylon como os com cordas de aço, o papel dos cavaletes, ou pontes fixas, é transmitir a vibração das cordas para o tampo do instrumento para que o mesmo movimente muito mais ar e assim tenha muito mais energia e volume.

O material no qual é feito o cavalete afeta o timbre geral do instrumento tal qual  apoio das cordas, rastilho ou saddle.

Pontes fixas para guitarra

Tune-o-matic (usa-se também a abreviação TOM) é um nome da ponte fixa  projetada por Ted McCarty. Esta ponte veio ao mundo primeiramente nas  guitarras Gibson Les Paul Custom em 1954.  Em 1955, ela vinha equipando as Les Paul Gold Top, guitarra que foi o emblema da empresa na época.

[vc_row][vc_column width=”1/2″]

Pontes fixas para guitarra
Tune o matic + stop tail. Um emblema das pontes fixas.

[/vc_column][vc_column width=”1/2″]

Pontes fixas para guitarra
Ponte tipo wrap-around. Onde nasceram as pontes fixas

 

[/vc_column][/vc_row]

Gradualmente a TOM se tornou padrão da marca  em quase todas as guitarras com ponte fixa, substituindo o wrap-around que era o projeto anterior. Esta substituição foi quase completa, a única exceção era o custo, pois a wrap-around ainda era mais barata que as pontes fixas do tipo tune o matic.

Hoje estes tipo de pontes fixas são largamente utilizadas por inúmeras fábricas pelo mundo e não se limita apenas a guitarras com visual das lespas (nome carinhoso para as guitarras do modelo Les Paul).

Um dos maiores problemas destas duas pontes fixas é que elas não apresentam regulagem individual de ação de cordas o que pode ser um pesadelo em alguns instrumentos.

E para piorar a maioria das wrap-around tradicionais também não tem ajustes de comprimento das cordas de forma individual. Então caso você seja meio “chato” com a regulagem do seu instrumento procure outra ponte pois estas ai podem ficar devendo.

Uma opção de tune o matic com ajuste de altura individual é a Gotoh 510 FB, esta apresenta tal ajuste além de todos os ajustes presentes de uma TOM padrão.

Ainda no hall das pontes fixas para guitarra temos um clássico, a ponte de telecaster.

A Fender Telecaster foi desenvolvida por Leo Fender em Fullerton, Califórnia, em 1950. Entre 1932 e 1949, vários artesãos / luthieres tal qual algumas empresas experimentavam guitarras elétricas de corpo sólido, mas nenhuma teve um impacto tão significativo no mercado quanto a Telecaster  que foi o projeto que finalmente veio para colocar a guitarra de corpo sólido no mapa.

A Fender Telecaster, carinhosamente apelidada de Téli ou teleca, foi a primeira guitarra com corpo sólido comercialmente vendida no mundo.

[vc_row][vc_column width=”1/2″]

Pontes fixas para guitarra
Fender Esquire 1950. Usavam pontes fixas.

[/vc_column][vc_column width=”1/2″]

A ponte é um emblema desta modelo e na época, 1950, contava apenas com ajustes para dupla de corda, o que tornava uma tarefa simples como regular a ação de cordas uma dor de cabeça. Este tipo de ponte é muito utilizada hoje, mesmo a que tem apenas 3 saddles, mas também existem versões com 6 carrinhos, o que facilita muito a vida na hora de ajustar uma guitarra com este tipo de ponte.

As ponte que tem 3 carrinhos apenas ficam devendo quanto o assunto é ajuste de comprimento de cordas, oitavas, pois cada corda precisa de um comprimento especifico, coisa que os 3 carrinhos não entregam.

[/vc_column][/vc_row]

[vc_row][vc_column width=”1/2″]

Pontes fixas para guitarra
Ponte telecaster 3 carrinhos. O começa da evolução das pontes fixas.

[/vc_column][vc_column width=”1/2″]

Pontes fixas para guitarra
Ponte de telecaster com carrinhos. A evolução das pontes fixas

[/vc_column][/vc_row]

A melhor opção para quer quer ter um visual vintage na guitarra mas não quer sacrificar a entonação e usar um ponte de telecaster com carrinhos adaptados, assim garantindo um comprimento melhor para cada corda.

Pontes fixas para guitarra
Ponte de telecas com carrinhos adaptados. Pontes fixa com 3 carrinhos adaptados para melhorar a entonação.

Tanto a ponte de tele quanto a ponte TOM pode usar dois tipo de instalação de cordas, as top loaded e a strings through. Alias este pode ser usado para qualquer um dos tipos de pontes fixas, exceto para wrap-around.

Neste primeiro tipo de instalação, top loaded, normalmente a corda fica um pouco mais “leve” deixando a pegada da guitarra um pouco mais macia. Em contra partida esta instalação não ajuda muito a ponte a fazer o corpo do instrumento vibrar e com isto deixa de ser aproveitado parcela do som do corpo.

Já as postes fixas para guitarra com o sistema strings through pode deixar as cordas um pouco mais duras, e para alguns isto pode ser desconfortável, mais como as cordas acabam apoiando melhor na ponte a transmissão de vibração da ponte para o corpo é bem maior e assim se aproveita melhor a parcela de timbre oriunda co corpo.

[vc_row][vc_column width=”1/2″]

Pontes fixas para guitarra
Instalação de cordas por cima das pontes fixas, top loaded.

[/vc_column][vc_column width=”1/2″]

Pontes fixas para guitarra
Instalação de cordas por trás do corpo, strings through. Mas um jeito de colocar cordas nas pontes fixas

[/vc_column][/vc_row]

Bom galerinha por hoje é só pepepessoal!

[quote_center]Gostou do post? Então clica em curtir e coloca o e-mail ai embaixo para não perder a parte 2 ![/quote_center]



Loud Custom Shop Guitars

Loud é uma oficina diferente. Deixamos de lado a distribuição em série para construir artesanalmente instrumentos únicos que se adaptem aos mínimos detalhes que você precisa ou simplesmente quer.De regulagens básicas a customizações extremas, a Loud está ao seu dispor pela realização daquela guita meio louca que você viu em seus sonhos e em loja nenhuma por ae. Precisa de uma cafeteira instalada no seu baixo? Um cinzeiro marchetado na sua viola? Então vamos conversar!